CROMOTERAPIA

FLEUR DE LYS

CROMOTERAPIA

Cromoterapia


CROMOTERAPIA MENTAL

IMAGEM 01

IMAGEM 02


No campo das curas, o tratamento pelas cores ocupa lugar destacado e é muito utilizado no Plano Espiritual, em suas colônias, sanatórios e postos de socorro.

No campo físico da matéria ou da energia, nos dois planos, tudo tem forma, som e cor; e há uma escala vibracional característica de cada grupo de elementos afins.

Em nosso plano material isso é perceptível aos nossos sentidos físicos e a escala oscila entre o infravermelho (ondas longas oriundas de fenômenos eletrônicos, situados nas camadas superficiais do átomo) e o ultravioleta (ondas curtas, camadas atômicas profundas).

Aplicadas às curas, as vibrações longas têm efeitos mais à superfície do campo operatório orgânico, com reações mais leves e as curtas mais na profundidade dos tecidos, no âmago, mesmo, da estrutura celular, com reações mais intrínsecas e intensas.

As cores possuem qualidades específicas e agem produzindo efeitos diferenciados, como sejam: calmantes, repousantes, apaziguadores, refrescantes ou, ao contrário, excitantes, irritantes, gerando bem ou mal-estar, beneficiando ou maleficiando os doentes, aumentando ou diminuindo emoções ou desequilíbrios, provocando alterações fisiológicas e psíquicas.

Com a mão que dá o passe ou faz a corrente, vai a onda colorida levando as virtudes curativas que operam as mutações desejadas para o estabelecimento orgânico.

Por isso a aplicação da cor deve ser feita segundo a natureza da perturbação e os efeitos que se deseja obter.

As cores combinadas entre si apresentam variadas gamas de sub-cores, que permitem a construção de uma segunda escala, muito mais ampla, que se desdobra para cima e para baixo da cor primária.

Assim, o azul, subindo para as gamas mais delicadas, pode ser azul claro, azul celeste, etc. e descendo para as gamas mais baixas, pode ser azul escuro, azul marinho, etc.

O verde, subindo, pode ser verde-claro, verde-malva e, descendo, verde-folha, verde-garrafa, verde-escuro, etc.

A partir das cores do espectro, subindo, as gamas apresentam pureza, delicadeza, suavidade, diafaneidade e, descendo, escuridade, agressividade, grosseria, produzindo, em ambos os casos, reações correspondentes às suas características próprias, nos organismos sobre os quais incidem.

O branco é alegre; o preto é fúnebre.

Cor alegre, síntese de todas as demais, é característica de altas hierarquias espirituais, com raras intervenções nos mundos baixos.

O prateado e o dourado são também cores nobres, de expressão elevada, que não devem ser utilizadas nos trabalhos comuns de atendimentos individuais, ou em correntes de cura, porque não se pode dar o que não se tem. Os Espíritos Superiores que possuem tais recursos, não intervêm, a não ser em casos especiais, em nossos trabalhos de rotina, nos quais se aplicam normalmente recursos de menor expressão.   

Enquanto o verde claro é anti-séptico, sedativo e repousante, o escuro é francamente energético.

O azul-claro é repousante; o escuro é excitante, coagulante, estimula e pressiona.

O azul-mar é tranquilizante, com energias potenciais que agem no fundo do metabolismo celular. Nas crises, é mais rápido nos efeitos e atua mais longamente, tendo aplicações nas hemorragias.

O vermelho-forte representa dinamismo, atração e repulsa ao mesmo tempo; abafa, é irritante e agressivo; construtivo, multiplicador de energias; corrosivo, destrói células e, por isso é faca de dois gumes; deixa resíduos irritantes, que devem ser eliminados após aplicações. Adequado ao tratamento de fraquezas, anemias e depressões físicas.

O vermelho-claro é aplicado em perturbações menos intensas como: cauterizações de tecidos, cicatrizações de feridas e cortes.

O rosa representa harmonia, amor, tranquilidade. Estímulo a funções cardíacas e glandulares.

O amarelo-forte é estimulante mental, também específico para lesões oculares, bandagem, colírios, reativar energias, é reconstituinte celular em doenças crônicas e anemias.

Agem primeiramente no perispírito e daí refletem-se no corpo denso, com maior ou menor rapidez, conforme a sensibilidade individual.

Há uma gradação de poderes e de efeitos em cada cor e, as de vibração mais alta, produzem efeitos de maior intensidade, profundidade e pureza.

Quando a célula, por qualquer circunstância, perde a sintonia funcional com o conjunto, adoece, mas a incidência de raios coloridos sobre ela forçam-na a retomar o ritmo habitual, reconduzindo-a ao teor vibratório que lhe era próprio, quando sã.

A cor, em si mesma, não é elemento decisivo para as curas, mas completa e reforça o emprego de outros recursos menos delicados.

Ocioso é dizer que o efeito de assimilação da cor se dá no perispírito, mesmo quando a projeção seja feita diretamente no corpo físico; e do perispírito é que se transferem para este através dos centros de força, e dos plexos do sistema nervoso.

Quando a perturbação é conhecida (uma insuficiência hepática, por exemplo), o problema se resume em determinar a cor a empregar; quando é indefinida, mas localizada (uma dor de cabeça, por exemplo), a aplicação deve ser sintomática e local até se poder determinar a origem do mal.

Em casos obscuros pode-se também utilizar a vidência e a consulta a um benfeitor espiritual, pela incorporação ou telepatia, fazendo as aplicações. Em seguida, em havendo dificuldades em determinar a causa ou o órgão diretamente doente no corpo orgânico, o exame do perispírito resolve a dificuldade, por lá estarem as matizes de todos os órgãos; e a parte doente será logo salientada.

Nestes dois casos, tanto no perispírito como no corpo orgânico, as áreas afetadas se mostram escurecidas; em ambos, as aplicações devem ser feitas em cores opostas e positivas, cuja frequência mais elevada decanta a saturação intrusa, eliminando, assim, a perturbação.

As aplicações devem ser feitas de maneira adequada, pelo tempo devido e de forma prudente, porque os excessos produzem resultados maléficos como, aliás, pode-se ver com os efeitos do próprio Sol, que em excesso, queima e pode até mesmo matar por insolação.

Nas obsessões, conhecida sua origem (resgates, vinganças, etc.) e identificada a entidade agressora, a aplicação deve ser de cores opostas, contrárias (suaves, harmoniosas) para facilitar o desligamento, com projeções diretas para o coração do agente agressor.

O mesmo ocorre com os centros de força, que são também pontos de eleição para os ataques desses agentes: o Básico, na região sacra, é preferido pelos obsessores que visam desviar o curso normal das energias primárias, alimentadoras do metabolismo perispiritual; projeções energéticas, azuis e verde-claras, restabelecem o equilíbrio.

Numa corrente de cura, as vibrações individuais se somam formando um potencial, de inegável poder, porque a vibração da cor é muito mais elevada que a da célula; esse potencial projetado pelos médiuns sobre órgãos e tecidos doentes no campo perispiritual, produz efeitos positivos, seja obrigando as células a retomarem o ritmo funcional normal (quando a moléstia for simplesmente funcional), seja destruindo agentes intrusos, maléficos, causadores de distúrbios.

(Edgard Armond, Métodos Espíritas de Cura – Psiquismo e Cromoterapia, 1ª edição 1999, 2ª reimpressão 2009, Editora Aliança, São Paulo/SP, p. 91/105 e 111/118)


Cromoterapia é a aplicação de cores na terapia humana. É um método de tratamento muito desenvolvido entre nós.

Embora não sendo especialista nessa técnica terapêutica, observamos que a simples aplicação das cores nos tratamentos mostrava-se de ação muito fraca. Parecia que sua ação ampliava-se positivamente se fosse aplicada como fruto da mente do operador, isto é, de forma invisível, agindo apenas no Astral.

Temos observado o efeito da combinação de cores sob comando mental sobre espíritos desencarnados e também em encarnados.

Apresentamos algumas combinações de cores que estamos estudando:

• Índigo + Carmim: imobilização instantânea dos espíritos que se tornam como “estátuas de sal”;

• Prata + Violeta: elimina todo o poder mental dos magos;

• Prata + Laranja: para tratamento dos pulmões, das vias aéreas superiores e da asma;

• Dourado + Laranja + Amarelo: debela crises de angústia;

• Verde Efervescente: limpeza de aderências pesadas dos espíritos desencarnados;

• Roxo: energização.

(José Lacerda de Azevedo, Energia e Espírito, Teoria e Prática da Apometria, 5ª ed., Mais Que Nada, Porto Alegre/RS – 2009, p. 175/176)


Há cerca de dez anos, um médico desencarnado japonês informava-nos que trabalhávamos com pouca energia quando apenas aplicávamos as cores físicas.

Deixou-nos um exemplo: determinou que imaginássemos um campo banhado por intensa luz índigo, com matizes de carmim. Em seguida, mandou-se que projetássemos essa luz sobre um grupo de espíritos de baixo nível vibratório, quase todos obsessores, galhofeiros e parasitas. O efeito foi surpreendente: todos, sem exceção, transformaram-se instantaneamente em estátuas, nas posições em que se encontravam.

Assemelhavam-se a estátuas de sal, como a mulher de Lot de que nos fala a Bíblia.

Dessa forma, tornam-se fáceis de serem removidos para lugares de tratamento ou ambientes compatíveis com seu grau evolutivo.

Temos observado o efeito da combinação de cores sob comando mental sobre espíritos desencarnados e também em encarnados. 

Relação de Combinação de Cores:

• Dourado: fortalece as ligações com Cristo;

• Rosa: cor da fraternidade e do amor incondicional do Mestre Jesus;

• Branco cristalino: limpeza e purificação de ambientes e corpos;

• Verde efervescente: limpeza de aderências pesadas dos espíritos desencarnados;

• Verde claro: desinfecciona e esteriliza corpos e ambientes;

• Lilás: desintegra a energia densa provinda de sentimentos e ações negativas;

• Violeta intenso: transmuta, regenera e recompõe corpos e ambientes;

• Roxo: reenergiza ambientes e corpos;

• Amarelo: energizante, tônico e vitamina para o corpo e espírito;

• Laranja: vitaliza, aumenta disposição (saúde, energia) e elimina gorduras do sangue;

• Índigo: anestesia, provoca intensa sonolência no espírito;

• Índigo + Carmim: imobilização instantânea dos espíritos que se tornam como estátuas de sal;

• Prata: desintegração de aparelhos parasitas e “trabalhos”, corrige a polaridade dos níveis conscienciais;

• Prata + Violeta: elimina todo o poder mental dos magos.

(Sergio Alberto Cunha Vencio, Manual Prático de Apometria, Educandário Social Lar de Frei Luiz, Rio de Janeiro/RJ, p. 131/136)


FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO. (Allan Kardec)
Chico 01
 Editado em 08.12.2017

2 comentários sobre “CROMOTERAPIA

    1. Bem vinda, Rose Mary. Esperamos encontrá-la bem. Verde efervescente seria uma energia verde borbulhante, que produz espuma como os antiácidos e como água oxigenada, o que faz com que energias mais densas se desprendam mais eficazmente do corpo ou local a que estejam agregadas, por ocasião de limpeza e harmonização.
      Paz e luz em Cristo Jesus.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s